Header Ads

CASO BRUNO BORGES: HIPÓTESE DE CRIME PERDE FORÇA NO DESAPARECIMENTO DO JOVEM ACREANO




Afinal de contas, uma pessoa pode ou não simular seu próprio desaparecimento e fazer, voluntariamente todo um país e até mesmo a Interpol o procurar, apenas por diversão?


O jovem, que partiu sem dizer adeus, deixou para trás os pais e dois irmãos, referências a um secreto “grande projeto” que iria “mudar a humanidade de uma forma boa”, além de 14 livros em código e uma estátua do filósofo Giordano Bruno no quarto cujas paredes foram cobertas com textos, fotos e desenhos enigmáticos.

A Polícia Civil do Acre investiga o desaparecimento de Bruno Borges, mas o delegado Fabrizzio Sobreira, responsável pelo caso, se manifestou poucas vezes, de modo lacônico, sobre o andamento sigiloso da investigação. 

Quem se pronuncia publicamente pela primeira vez sobre a investigação é o secretário adjunto de Polícia Civil, delegado Josemar Moreira Portes, após entendimento com o delegado e com o secretário Emylson Farias.

A Secretaria de Polícia tenta, ante o grande volume de contatos, sobretudo da imprensa, preservar para que o delegado possa trabalhar, do contrário teria que ficar o dia inteiro concedendo entrevistas. Como a demanda é enorme e o delegado está ciente dessa estratégia, veja a entrevista exclusiva com secretário Josemar Portes:

Como está a investigação da Polícia Civil do Acre em relação ao desaparecimento de Bruno Borges?
A partir do momento em que confirmamos o desaparecimento, temos a obrigação de agir para, eventualmente, confirmar ou não a existência de um crime. Então, adotamos linhas de investigação para cada uma das primeiras hipóteses, que vão de um ato voluntário a um ato extremado, como suicídio, ou talvez homicídio, sequestro, perda da consciência etc.

Quais dessas hipóteses ou linhas de investigação estão descartadas ou são consideradas menos prováveis?
Nenhuma está descartada, mas a hipótese de qualquer ato criminoso, como homicídio ou suicídio, não está se evidenciando até o momento.

O que está se evidenciando?
Há indícios de um ato voluntário, ou seja, de um desaparecimento voluntário por algum motivo, muito embora isso ainda não esteja comprovado. Essa é uma hipótese, mas não eliminamos nenhuma das outras hipóteses, tanto é que temos gente ainda em campo, até fora do Acre. Temos parceiros trabalhando nisso e, obviamente, a família é nossa parceira, pois reúne informações. Não eliminamos nenhuma hipótese capaz de explicar o desaparecimento, embora, pelo tempo decorrido e os indícios coletados até o momento, o ato voluntário é a hipótese mais viável, embora ainda não seja uma certeza.

Vocês apreenderam ou coletaram material ou equipamentos como celulares e computadores da casa de Bruno?
A gente fez algumas pesquisas, mas atualmente não mantemos em poder da polícia nenhum material apreendido. Já obtivemos todos os elementos técnicos e depoimentos testemunhais que pudessem nos levar a alguma informação capaz de explicar o desaparecimento.

Bruno está usando o celular? O aparelho dele está sendo monitorado?
Qualquer informação que envolva quebra de algum sigilo protegido por lei, assim como as medidas até então tomadas, serão mantidas em segredo para preservar a família, o rapaz e a própria investigação.

O que sobressaiu, por exemplo, dos depoimentos?
Os depoimentos ainda estão sendo colhidos. Pessoas da família, amigos, a rede de relacionamento social, todos foram chamados e alguns estão sendo chamados de novo. Essa rede de relacionamento social é importante porque nos passa muitas informações. Mais pessoas poderão ser ouvidas caso a investigação evolua neste ou naquele caminho.

Há evidência de que Bruno era ou não usuário de jogos online, tipo RPG?
Até o momento não existe confirmação disso, mas o que posso dizer é que as evidências colhidas nos depoimentos, não é que elas não apontem, mas tampouco confirmam um ato de violência. Ainda não, seja um ato de violência contra si próprio ou um ato de violência de terceiros.

Procede que a família teria pedido para que a Interpol não fosse acionada?
Não tenho essa informação. Até porque, neste caso, não depende de um pedido. A partir do momento que uma pessoa desaparece, com suspeita inicial de crime —e esta suspeita existe, embora menos forte agora— então era obrigação nossa utilizar todas as ferramentas que temos à disposição. E elas foram utilizadas, independentemente da vontade de quem quer que seja.

É verdade que a polícia tem informação de que Bruno está no Chile?
Não, não temos informes ainda nesse sentido. Existiu um boato que chegou aos nossos ouvidos e ouvimos familiares e amigos. E não houve nenhuma confirmação.

A polícia sabe se Bruno tem e está usando cartão de crédito?
Não. Essas informações, como envolvem sigilo bancário, ainda estão resguardadas. Um viés da investigação é sobre movimentação financeira, mas para dar publicidade a isso dependemos de autorização judicial —que ainda não temos.

Mas vocês têm informação…
Nós chegamos lá, mas não podemos socializar nem publicizar porque envolve sigilo bancário. 

Então ele está movimentando o cartão?
Não vou dizer se era cartão ou movimentação através de cheque. Nem posso, pois estaria indo além do que a lei permite. Mas uma linha de investigação para toda pessoa que desaparece, se adulta, detentora de conta bancária, é a movimentação financeira. Isso é óbvio e não precisa nem ser investigador para saber disso.

Um dia após o desaparecimento de Bruno, a família anunciou o caso, mas pretendia preservar imagens do quarto e da intimidade familiar. Um vídeo logo vazou e os rumores se multiplicam desde então. Aquele depoimento do empresário Athos Borges, pai do Bruno, fazendo esclarecimentos e um mea culpa em rede social, ajudou?
Para nós, não. Aquele depoimento, o desabafo de um pai, nós temos que respeitar, mas aqueles elementos nós já havíamos levantado. Não faço nenhuma censura, pois a família elegeu aquilo como uma forma de interagir com o que estava sendo publicado.

Mas como a polícia vê a essência daquele desabafo?
Uma das linhas de investigação é traçar o perfil psicológico. Isso é um trabalho de perícia, mas ainda não está concluído. Toda família tem os seus conflitos, as suas intempéries. Eu não diria que havia conflito, mas ideias contrapostas. Aliás, isso foi dito pelo próprio familiar em seu depoimento. É claro que esse é apenas mais um elemento a ser levado em consideração. Ele pode ser preponderante, mas também pode não ser. Foi um fato óbvio que foi divulgado, mas dizer que é um conflito ou que havia ideias destoantes com relação ao modo de vida, isso é meio profundo. Pude deduzir que a convivência era boa, apesar de não pensarem talvez sobre um determinado assunto numa mesma linha de raciocínio. Mas isso é normal em qualquer família, em qualquer ambiente. Agora, se foi esse o fator preponderante para o evento que ocorreu, seria precipitado afirmar isso agora, além daquilo que já está público e notório. A nossa investigação continua aberta em todas as frentes. Algumas não se confirmam a cada dia que passa, mas permanecem abertas, e outras vão se consolidando, o que é natural numa investigação de desaparecimento.

O que a polícia vai fazer caso confirme que o desaparecimento de Bruno decorre daquilo que o senhor chama de “ato voluntário” ou “desaparecimento voluntário”?

Neste caso, não estaria configurado nenhum tipo de crime e só nos restaria encerrar a investigação e nos afastar do caso. Isso, em tese, se a gente tiver realmente absoluta certeza de sua localização e de que a motivação não foi outra além de sua própria vontade.




Redação: Diego Lincoln
Revisão e Adequação Jurídica: César Chagas
Revisão Técnica: Gabriel Santos
Fonte Primária de Pesquisa: Blog Altino Machado





Uma das únicas revistas online que é mensalmente impressa, Notícia & Verdade está de olho nas principais notícias do Brasil e do Mundo.




Gostou da Reportagem? Não esqueça de curtir nossa página pelo Facebook! 
Este é o nosso maior pagamento.


Um comentário:

  1. Realmente, mesmo movimentando a máquina pública, não há crime por parte de Bruno. Porém, acredito que se ele aparecer, terá que encarar a população né, que, certamente, não perderá tempo em qualifica-lo como louco, problemático, e por aí vai. Em verdade, isso já está acontecendo.
    Ce.Sa.

    ResponderExcluir

Comente utilizando a sua conta junto ao Facebook: